Em primeiro lugar, o fato de sermos santificados os faz lembrar o momento em que eles não eram santificados (Tt 3.3). Nós estávamos no nosso sangue, e então Deus nos lavou com água, e nos ungiu com o óleo (Ez 16.9). As árvores de justiça que florescem e produzem amêndoas, fazem lembrar quando elas eram como a vara seca de Arão, quando não florescia nenhuma santidade. A alma santificada lembra quando estava afastada de Deus por causa da ignorância e vaidade, e quando a graça implantou nela a santidade. 

Um segundo sinal da santificação é a habitação do Espírito. “O Espírito Santo que habita em nós” (2Tm 1.14). Assim como o espírito imundo habita nos ímpios e os leva ao orgulho, luxúria, vingança e o diabo entra nesses porcos (At 5.3), assim o Espírito de Deus habita em eleitos, como seu guia e consolador. O Espírito possui os santos. O Espírito de Deus santifica a imaginação, tornando os pensamentos a um estado santo; e santifica a vontade, colocando uma nova preferência sobre ela, graças à qual ela está inclinada para o bem. Aquele que é santificado tem a influência do Espírito, embora não a essência. 

Um terceiro sinal de santificação é uma antipatia contra o pecado (Sl 119.104). Um hipócrita pode deixar o pecado, mas ele o ama; assim como uma serpente despoja-se de sua pele, mas mantém seu veneno; mas de uma pessoa santificada pode-se dizer que ela não só deixa o pecado, mas o detesta. Como existem antipatias entre a natureza da videira e o louro, assim, em uma alma santificada há uma antipatia santa contra o pecado; e antipatias nunca podem ser conciliadas. Devido a um homem ter antipatia contra o pecado é impossível a ele deixar de se opor aquele, e buscar a destruição do mesmo. 

Um quarto sinal de santificação é o desempenho espiritual dos deveres, com o coração, e a partir do princípio do amor. A alma santificada ora por amor à oração e “chama o sábado deleitoso” (Is 58.13). Um homem pode ter dons ao ponto de ser admirado; ele pode falar como um anjo vindo do céu, mas ele pode ser carnal nas coisas espirituais; seus serviços podem vir de um princípio não regenerado, nem serem realizados sobre as asas do prazer no dever. A alma santificada adora a Deus no Espírito (1Pe 2.5). Deus não julga os nossos deveres por seu comprimento, mas pelo amor de onde brotam. 

Um quinto sinal é uma vida bem ordenada. “Sede vós também santos em toda maneira de viver” (1Pe1.15). Onde o coração é santificado a vida também o será. O templo tinha ouro por fora e como também por dentro. Como em uma moeda não existe somente a imagem do rei por um lado, mas também sua inscrição pelo outro, assim onde há santidade, não somente existe a imagem no coração, senão também, uma inscrição de santidade escrita na vida. Alguns dizem que eles têm um bom coração, mas suas vidas são depravadas. “Há geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia” (Pv 30.12). Se a água está suja no balde, é porque não está limpa no poço. “A filha do rei é toda ilustre lá dentro” (Sl 45.13). Há santidade no coração. “Sua roupa é de ouro”. Há santidade de vida. A graça é mais bela quando a sua luz brilha de tal forma que outros possam vê-la; este adorna a religião, e faz prosélitos da fé. 

Um sexto sinal é a resolução firme. Ele está resoluto em nunca largar sua santidade. Se os outros a reprovarem, ele a amará mais, assim como a água ao ser borrifada sobre o fogo, o levará queimar mais. Ele diz como Davi, quando Mical o repreendeu por dançar diante da arca, “Se isto é ser vil, vou ser ainda mais vil” (2Sm 6.22). Embora os outros o persigam por sua santidade, diz ele, como Paulo: “Nenhuma dessas coisas me comovem” (At 20.24). Ele prefere a santidade à segurança, e manter sua consciência limpa do que a sua pele ilesa. Ele diz como Jó: “À minha justiça me apegarei e não a largarei” (Jó 27.6). Ele abre mão da sua vida antes do que da sua consciência. 

Primeira Aplicação: A coisa principal que um cristão deve cuidar é a santificação. Este é o “unuin necessarium”, a única coisa necessária. A santificação é o nosso mais puro estado, que nos faz como o céu, adornado com estrelas; é a nossa nobreza, por ela somos nascidos de Deus e participantes da natureza divina; é nossa riqueza, e assim comparada a colares de joias e correntes de ouro (Ct 1.10). Ela é o nosso melhor certificado para o céu. Que evidência temos, além dela? Temos conhecimento? Também
 o diabo. Professamos alguma religião? Satanás muitas vezes aparece na capa de Samuel, e transforma-se em anjo de luz. Mas o nosso certificado para o céu é a santificação. A santificação é a primícia do Espírito; a única moeda circulante no outro mundo. A santificação é a prova do amor de Deus. Não podemos conhecer o amor de Deus, pela saúde que Ele nos dá, ou pela riqueza ou sucesso; senão que pelo fato dEle imprimir Sua imagem de santificação em nós pelo pincel do Espírito Santo. 

Oh! A miséria dos que são destituídos do princípio de santificação: Eles estão espiritualmente mortos (Ef 2.1). Apesar de respirarem, eles não vivem. A maior parte do mundo está em um estado não santificado. “O mundo jaz no Maligno” (Jo 5.19). Isto é, a maior parte do mundo. Muitos se dizem cristãos, mas excluem a palavra santos. Você pode também chamá-lo de um homem inteligente, aquele cristão busca. E, o que é pior, alguns estão em tal grau de perversidade, que odeiam e zombam da santificação, eles a odeiam. Se já é ruim rejeitá-la, é ainda pior odiá-la. O que eles abraçam é a forma da religião, mas odeiam o poder dela; assim como o abutre detesta os cheiros agradáveis, da mesma forma eles detestam os perfumes da santidade. Eles dizem isso em escárnio, esta é a sua “santidade”! Para ridicularizar a santificação defendem um alto grau de ateísmo, e isto é neles uma marca sombria de reprovação. Ismael foi expulso da família de Abraão por escarnecer (Gn 21.9); da mesma maneira, zombar da santidade acarretará ser expulso do Céu. 
Segunda aplicação: Acima de tudo sigam a santificação. Busque a graça mais do que o ouro. “Guarda-a, pois ela é a tua vida” (Pv 4.13). 

__________________________________________________________________

Trecho do sermão Santificação - Thomas Watson

0 comentários:

Postar um comentário

           
EU SOU CALVINISTA: PREGANDO E ENSINANDO A PALAVRA DO NOSSO SENHOR JESUS!!